terça-feira, 25 de abril de 2017

Lançado livro o "Hollywood: uma História do Brasil"

1° Edição

Onde comprar:

Na Amazon - https://www.amazon.com/dp/8547101497

No Mercado Livre - http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-859139731-hollywood-uma-historia-do-brasil-vida-olympio-guilherme-_JM


Edição da Amazon

Sobre o Livro:

                     Olympio Guilherme ficou conhecido no início do século passado quando foi contratado pela FOX para atuar em Hollywood, ainda no cinema mudo. Os jornais da época e seus colunistas, entre eles Guilherme de Almeida, o consideravam o substituto de Rodolfo Valentino, recém falecido.
                "Hollywood" é um passeio pelo século XX, de 1902 a 1973. Tem início em Bragança Paulista, terra natal de Olympio Guilherme,  passa por Hollywood e termina no Rio de Janeiro.
                  O livro é rico em personagens, entre os quais Pagu, Greta Garbo, Cásper Líbero, Assis Chateaubriand, Carlos Lacerda, Graciliano Ramos, Getúlio Vargas, entre outros. É a história de "Fome", primeiro filme realista brasileiro produzido em Holywood. Do início da carreira de Carlos Lacerda como jornalista. Da primeira paixão de Pagu. Da morte de Getúlio. Do DIP, da censura e da tentativa de implementar mudanças culturais.

Com "Hollywood": Será mais fácil entender os golpes de 1954, 1964 e 2016.

Antonio Sonsin


Opiniões

Olympio Guilherme é um dos personagens mais interessantes e pouco conhecidos da história do Brasil. 
Natural de Bragança Paulista, começou no jornalismo com Casper Líbero, em A Gazeta, em São Paulo. Muito bonito, foi a primeira grande paixão de Pagu, a musa dos modernistas.
Ouvi falar pela primeira vez dele através de Oswaldo Russomano, tio da minha primeira esposa. Tato, como era chamado, foi convidado pelo amigo Olympio Guilherme para administrar o Observatório Econômico, revista semanal de grande prestígio, de propriedade de Valentim Bouças, o brasileiro que trouxe a IBM para o Brasil, para imprimir os holleriths do setor público.
Há alguns anos, Antônio Sonsin, também bragantino, começou a levantar a vida de Olympio. Neste domingo à tarde, conversamos longamente sobre seu trabalho.
Sonsin interessou-se por Olympio a partir das conversas com Chico Ciência, historiador em Bragança Paulista. Em 1967, aos 17 anos, musiquei uma peça de Chico, que acabou vetada pela censura da época, resultando em uma passeata de protesto em Campinas e a apresentação da peça nas escadarias da PUC. Sonsin está de posse da peça e ficou de me mandar.
Em suas andanças, acabou descobrindo a única filha de Guilherme, atualmente morando em Londres, que herdou os arquivos do pai. Aliás, a família e os amigos só souberam de sua existência no seu velório quando e menina, de 14 anos, apareceu pranteando o pai.
Com vinte e poucos anos, Olympio foi para Hollywood, através de um concurso da Fox, para escolher uma mulher e um homem brasileiros, para lança-los em Holywood.
A mulher escolhida foi Lia Torá, uma beleza de mulher sobre a qual falaremos em outra oportunidade.
O concurso terminou sem um representante masculino. Incentivado por Pagu e pelos amigos, Olympio acabou se inscrevendo e foi escolhido.
Chegando em Hollywood, descobriu que caíra em uma peta. Na verdade, o concurso fora apenas para promover a Fox no Brasil. Mesmo assim, chegando em Hollywood, Olympio passou a se virar e produziu um filme em preto e branco sobre a fome – que campeava no país após a crise de 1929. O filme foi vetado porque interessava à indústria cinematográfica levantar o moral do país e consideraram o filme muito deprimente.
Quando morreu Rodolfo Valentino, o poeta Guilherme de Almeida invocou que ele seria o próximo Valentino. Não falava inglês, mas ainda estava na fase dos filmes mudos.
Enfim, Olympio Guilherme voltou para o país em fazer a América. Decidiu, então, estudar economia e acabou indo trabalhar com Valentim Bouças. Quando Valentim precisou voltar para os Estados Unidos, colocou-o para dirigir o Observador Econômico.

Na entrevista, Sonsin relata alguns feitos de Olympio Guilherme. Na revista, um de seus focas era Carlos Lacerda. Aliás, Tato me contava as broncas que Olympio costumava dar no foca.
Mas foi uma reportagem pedida a Carlos Lacerda – de descrever o Partido Comunista, ao qual ele era filiado – que resultou no seu rompimento com o PC e em seu mergulho na direita. No artigo, Lacerda desancava sem dó seu antigo partido.
Olympio também trabalhou no DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda de Getúlio), sendo o responsável pela área de rádio e música. Coube a ele combater os sambas que incensavam a malandragem.
Sonsin relata, em detalhes, o episódio em que Olympio leva um tiro na boca de Assis Chateaubriand.
Luis Nassif


Os labirintos de Olympio Guilherme
 
O norueguês Henrik Ibsen, talvez o maior dramaturgo do século XIX, conseguia destrinchar de forma cruel as contradições de seus personagens. O que parecia não era, o jogo de enganos uma constante, ilusões e fracassos desenha a trilha obrigatória.  No final o que permanecia eram fantasmas.
Toda a vez que leio uma biografia de uma pessoa, para mim fica sempre um gosto amargo. Necessariamente apresentam-se suas dores, fraquezas, indecisões e erros.  Mesmo quando se trata de um nome sublime.  Afinal de contas é apenas um ser humano.
Quando li as páginas deste livro, foi inevitável refletir sobre o que pensava e sonhava a criança e o jovem Olympio. Afinal pisei seus mesmos caminhos em volta dos trilhos da Estrada de Ferro Bragantina, talvez os mesmos medos noturnos na luz mortiça de uma pequena cidade. E a interrogação, a esperança e o desconhecido do que a vida me concederia.  Claro que isso aconteceu 40 anos depois. Mas não acredito que esta distância temporal houvesse modificado substancialmente o quadro. Creio que nossos pensamentos eram parecidos.  O que é natural para quem viveu no mesmo quadro cultural. 
José Luiz Del Roio



Antonio Sonsin retornou ao prelo depois das provocações postas nos livros “República Socialista do Paraguay”, “As rainhas da noite”, “Minhas vidas virtuais” e em outros títulos longe da zona de conforto.   Editou a Revista Verdade que se constituiu num corajoso chamamento à luta pela libertação plena do ser humano.
Para quem navega nas águas turvas e pedregosas de um país de desigualdades escravas, impossível passar despercebida a saga de Olympio Guilherme.   A vida do Rodolfo Valentino de Bragança Paulista daria um romance.   E deu, na obra e arte de Sonsin.
A narrativa parte da totalidade social para alcançar o particular.  O autor optou por uma contextualização histórico-política bem suave, com ênfase no personagem central, devido aos cuidados biográficos dos escritos.  Nem por isso o transformou num herói açucarado  ou  num  amante perfeito,   à moda e crença  de Hollywood.   Imprimiu coerentemente uma linguagem realista e cativante.  A forma e o conteúdo formam uma unidade perfeita. Influência de Gramsci?   
 O leitor delicia-se com as vivências incríveis do protagonista, de fazer inveja ao mais crédulo dos aventureiros, mas também, com certeza, se sente estarrecido com a senzala dos atores construída no derredor das empresas cinematográficas.  Descobre a alienação projetada sorrateiramente nas telas dos cinemas, como também se condói com as cruéis dificuldades suportadas pelos imigrantes em terras estadunidenses. O American way of life existe apenas para quem encontra o pote de ouro homiziado aos pés do arco-íris. 
O autor revela nas entrelinhas da História do Brasil o processo viciado das transformações sociopolíticas ocorridas no desenrolar  das primeiras décadas dos novecentos.
Gilberto Santànna


As funções dos livros transitam (livremente) entre:
- o entreter: se assim não fosse, quem suportaria divagar por centenas de páginas;
O ilustrar: já que um livro instrui e esclarece fazendo o leitor melhor que antes do início da leitura. Mais, até prova em contrário, só se pode viver várias vidas através das letras vivas de um livro;
o pensar: aqui mora o mais importante, de sorte que é isto que nos diferencia neste planeta (no mais pouco diferidos dos outros seres terrestres). É o raciocinar que se constitui na maior de todas as tecnologias, de onde todas as outras derivam
Em suma: um livro há de ser interessante, útil e inteligente, sendo certo que este consegue juntar parcelas substantivas dos três quesitos (o que recomenda sua leitura).
No entanto, por amor à verdade há uma crítica à ser feita: a massiva pesquisa envolvida DEIXA UM GOSTO DE QUERO MAIS (mas mesmo isso, quem sabe, poderá ser resolvido com um segundo volume, desta feita com especial lustre na cidade do biografado.
Aldo La Salvia